LIGUE-NOS: 0800-606-7262
 

13 Grandes Erros de Empreendedorismo na Advocacia

20/09/2016

Quer você queira, quer não, se montou um escritório de advocacia ou trabalha como profissional autônomo, você é um empreendedor. E, como todo empreendedor, tem que lidar com a possibilidade do fracasso ou do sucesso.

Essa possibilidade deixa a todos atordoados, e muito preferem trabalhar para outros escritórios ou abandonar a carreira da advocacia a assumir o risco do mercado.

Por outro lado, a Advocacia se configura como uma grande oportunidade profissional, e aqueles que alcançam o sucesso acabam conquistando resultados invejados por todas as outras carreiras jurídicas.

O empreendedorismo é a capacidade de fazer acontecer e alcançar o sucesso em qualquer tipo de atividade humana. Para isto, criamos uma lista de 13 erros de empreendedorismo comuns na advocacia e o caminho a a ser tomado para evitar cada um, sempre com foco em alcançar os resultados que vão fazer a diferença na sua carreira.

Erro # 1 – Não sair da zona de confortoSaia da zona de conforto

A sua zona de conforto define os limites daquilo que consegue fazer sem se arriscar muito. Atividades como ir ao Fórum, peticionar, organizar a agenda e pesquisar jurisprudência não causam absolutamente nenhum incômodo porque já estamos acostumado a isto.

Mas, e atividades como escrever artigos jurídicos, dar palestras, fazer networking, fazer reunião com parceiros, avaliar relatórios de controle financeiro e organizar eventos? Dá um certo desconforto, certo?

Se você está satisfeito com o que faz com a sua advocacia, parabéns! Mas, se acredita que há algo a mais que pode ser feito para melhorar as coisas, comece com as tarefas que incomodam.

DICA | Faça uma lista de tarefas para todos os dias de trabalho, e inclua sempre tarefas que te tirem da zona de conforto. Comece o dia por elas.

Erro # 2 – Não arriscar

Não arriscar

 

Se você não arriscar, vai continuar a alcançar os resultados que sempre alcançou. Assumir risco vai exigir de você maior controle sobre as informações (principalmente as financeiras) do seu empreendimento. Com informações mais precisas, entramos na esfera dos riscos calculados.

Não é preciso arriscar tudo de uma vez ou tudo em uma só ação. Por exemplo, não é necessário vender a sua casa para comprar uma sede de um escritório num local bem localizado. Você pode escalar seus os riscos, assumindo riscos menores e colhendo resultados e ir aumentando os riscos conforme se encontre numa posição mais vantajosa.

DICA | Arrisque aos poucos; antes de comprar ou alugar uma sede, tente um escritório virtual; antes de contratar uma ferramenta de gestão, teste versões gratuitas; antes de firmar uma parceria, faça uma ação conjunta para testar o parceiro.

Erro # 3 – Não ter um propósito profissional

Não ter um propósito

Sem um propósito profissional, sua advocacia perde em intensidade, em brilho e motivação. Os clientes sentem isso. Até a sua sala de trabalho se transforma num reflexo da falta de propósito.

Se você acredita que o seu propósito é ficar rico, começou pelo caminho errado. Aqueles que colocam o dinheiro em primeiro lugar, tendem a se frustar com mais rapidez, tendo em vista que será necessário muito empenho e trabalho, antes que o dinheiro apareça. Geralmente, são os que acabam indo para o caminho do concurso público.

Há vários propósitos nobres possíveis na advocacia (defina o seu), que vão te conectar com seus clientes de maneira ainda mais profunda. Hoje, as pessoas pagam não só por aquilo que elas precisam, mas principalmente por aquilo que elas acreditam. Conecte-se com esse sentimento dos seus clientes.

DICA | Responda à pergunta “onde quero estar daqui a 20 anos como profissional?”: fazendo a diferença; ajudando as pessoas; com um negócio sólido e estruturado; como referência profissional no mercado; com um negócio rodando no automático, para ter mais tempo para meus projetos pessoais e minha família?

 

Erro # 4 – Não agir de forma estratégica

Estratégia de negócios

Você tem objetivos, metas e um mapa de ações predefinidas para implementar no seu escritório? Se não, você não age estrategicamente. Sem um objetivo claro e metas que o parametrizem, você perde o foco e começa agir aleatoriamente.

Antes de tudo, a estratégia é um processo de decisão, pelo qual você define seus objetivo negociais, as metas que quer atingir e os caminhos possíveis para tanto. Caso você não tome esta decisão, continuará agindo de forma aleatória, sem saber ao certo quais as ações que contribuem de maneira efetiva para a conquista dos seus resultados.

Dica | Estabeleça poucos objetivos (ou apenas um) para as áreas mais relevantes do seu escritório. Por exemplo, para o marketing (conquistar 50% mais clientes em 6 meses), para o financeiro (diminuir 50% de custos com a gestão dos processos em 6 meses), para a gestão de processos e causas (informatizar todas as rotinas e economizar 50% mais tempo na gestão das causas) e gestão de pessoas (criar um indicador de performance e aumentar a produtividade da equipe em 50% em 6 meses).

 

Erro # 5 – Não colocar o cliente como prioridade

Cliente em primeiro lugar

Na Advocacia, dar muita importância ao cliente não é a regra. A prioridade da maioria é o próprio serviço (em sua parte operacional), o conhecimento do Direito ou a estratégia processual. Em alguns casos (o que é ainda pior para o cliente), a prioridade é a atividade política e institucional frente à OAB.

Quando o cliente se torna o lado chato da profissão, um mal necessário que poderia ser descartado, perde-se toda a razão de ser da atividade da advocacia. Um advogado não só precisa do cliente, como ele é a peça chave do seu empreendimento.

Aprenda a cuidar dele com mais carinho, em todas as etapas do relacionamento com ele: prospecção, negociação de contrato e, principalmente, pós-venda.

Dica | Faça a chamada “gestão de cuidados”. Crie a rotina do atendimento ao cliente, que deve ir desde o primeiro contato (quem atende, onde ele espera, quem vai oferecer um café), passando pelos processos de cadastro de informações e comunicação de informações sobre o processo, até o pós-venda.

 

Erro # 6 – Acreditar que basta escolher uma área de atuação rentável

Posicione-se como especialista

O conceito de “área de atuação” é um conceito acadêmico, que deve ser posto de lado no seu relacionamento com o mercado. Para o cliente, você é um solucionador de problemas que, no mais das vezes, não tem uma ligação direta com uma área de atuação específica.

Procure se posicionar diante dos seus clientes como um especialista em determinados tipos de problemas, não pela área de atuação. Isso vai agregar mais valor à sua advocacia. Tenha apenas o cuidado de não violar o Código de Ética na parte de publicidade profissional, incorrendo na captação de causa.

Dica | Para não incorrer na captação de causa, fazendo oferta pública de serviços específicos, crie um Blog jurídico com artigos que tragam dicas e soluções especificamente sobre os problemas que você resolve (assim como o Arquivo Direito faz com problemas relacionados à realidade da Advocacia).

 

Erro # 7 – Não se posicionar como um especialista 

Especialista na Advocacia

Não há mais espaço no mercado brasileiro para Advogados generalistas. O tempo do consultor jurídico de confiança, que resolvia todos os problemas jurídicos de uma empresa ou família já passou. Ou você monta um escritório full-service (se tiver capital para tanto) ou se posiciona como especialista.

O mito de que o generalista teria acesso a mais clientes não se sustenta num mercado tão segmentado quanto o atual. Ou você se posiciona como um especialista em determinado tipo de problema, ou continuará sendo procurado apenas pelos clientes que, acima de qualquer coisa, querem um preço mais em conta.

Dica | Antes de se posicionar para um determinado nicho, entenda esse nicho. Converse com clientes potenciais, entenda seus problemas, que tipo de soluções eles buscam, quanto estão dispostos a pagar. Ou seja, faça uma verificação antecipada da viabilidade do mercado para o qual você está pensando em se posicionar.

 

Erro # 8 – Não investir em conhecimento de negócios

 

Conhecimento de negócios na Advocacia

 

No Advocacia, o costume de investir em conhecimento apenas da área jurídica é algo que atrasa muito (ou mesmo impede) o sucesso do escritório.

Há muita coisa relevante e imprescindível que um Advogado empreendedor precisa aprender, além do Direito material e processual. Comece a pesquisar e ler sobre empreendedorismo, desenvolvimento de negócios, negociação, finanças, marketing, gestão legal e gestão de pessoas, tecnologia da informação, planejamento e gestão de projetos. É um bom começo!

Dica | Comece a seguir grandes portais de empreendedorismo e negócios na Internet para se familiarizar com o tema (Endeavor, Exame , Administradores, SEBRAE), antes de escolher um curso ou uma pós-graduação na área de negócios.

 

Erro # 9 – Achar que o Código de Ética é um impedimento

 

 

 

 

 

Código de Ética é impedimento

 

O Código de Ética e Disciplina da OAB é restritivo e dificulta uma atuação focada no mercado? Sim, certamente! Mas isso não significa que ele impeça uma atuação focada em resultados.

Limites existem em todas as atividades humanas, e isso não implica em impossibilidade de alcançar o sucesso. Se assim o fosse, não haveriam advogados bem sucedidos. Pare de acreditar que o sucesso só vem para os corruptos, filhinhos de papai e sortudos. Pois, do contrário, será melhor abandonar a advocacia e prestar um Concurso Público.

Aposte na sua capacidade de entender o mercado e construir mecanismos para melhorar seu posicionamento e inserção. Acredite mais em você e pare de culpar os outros.

Dica | Procure entender e dominar as estratégias que são mais adequadas às restrições do Código de Ética, como o inboundmarketing na Internet, o marketing de eventos e a assessoria de imprensa.

 

Erro # 10 – Querer ser o melhor do mercado

 

 

Seja diferente

 

Num mercado tão competitivo quanto o da advocacia, querer ser o melhor é umameta pretensiosa e ineficaz, que vai exaurir todas as suas forças e não vai contribuir para o seu sucesso. Melhor do que vencer a concorrência, é tomar outro caminho e dela se destacar.

Ao invés de tentar ser o melhor, busque ser diferente. Você pode construir diferenciais mudando o caráter do serviço que você presta,  atuando diante de um nicho de clientes ou implementando uma estratégia de marketing jurídico que melhore a comunicação com o seu público. Não importa a estratégia adotada, contanto que o diferencial construído contribua para te destacar da multidão que faz muito do mesmo.

Dica | É mais fácil construir diferencial quando se atua para um público específico, um segmento do mercado ou um nicho de interesses específicos. Direcione a sua mensagem de marketing para um segmento específico, através do trabalho de produção de conteúdo para a Internet.

Erro # 11 – Desistir após o primeiro erro

Desistir sem tentar

Não se preocupe: assim que você tentar fazer algo diferente, você vai cometer erros e fracassar. Se você considera isso motivo para desistir, então é melhor nem começar.

Erros e fracassos, no mundo do empreendedorismo, são oportunidades de aprendizado e experiência. O sucesso vem para os resilientes, aqueles que conseguem aprender com a experiência de forma mais rápida. Quanto mais rápido você erra, mais rápido conseguirá descobrir qual o caminho correto.

É fundamental que você erre, mas o aprendizado deve ser rápido. A demora em dar uma resposta aos seus erros, motivadas pelo derrotismo ou vitimisse, pode comprometer a sua capacidade de dar a volta por cima.

Dica | Crie um MasterMind com seus parceiros para compartilhar erros e acertos. Compartilhar suas derrotas não deve ser motivo de vergonha. Crie uma rede de suporte, ajudando colegas que erram e sendo ajudados por eles.

Erro # 12 – Fazer as parcerias erradas

Parcerias ruins

Muitos acreditam que a única maneira de se fazer parceria na Advocacia é constituindo uma Sociedade de Advogados. Mas, como num casamento, a união societária vai exigir uma afinidade muito grande e uma relação de compromisso de longuíssimo prazo.

Firmar termos de parceria com outros escritórios ou profissionais autônomos pode ser uma forma de namorar, antes de pensar em casamento. Uma boa parceria pode ajudá-lo a implementar várias ações, sistemas e até mesmo contratar pessoas para ajudá-lo a alcançar seus resultados em menos tempo.

Dica | Construa parcerias para contratar uma consultoria de negócios, pagar um treinamento para você e sua equipe ou criar um website. Neste último caso, os parceiros ainda podem ajudar na criação do conteúdo.

 

Erro # 13 – Não ter pelo menos 100 ideias de como fazer a diferença

Empreendedorismo na Advocacia

O processo de criatividade exige filtro, para adequar suas ideias ao seu contexto e realidade. Por isso, quanto mais ideias para te ajudar a criar diferenciais, melhor.

Estabeleça uma meta com sua equipe de pelo menos 100 ideias do que fazer para melhorar o processo de gestão, o seu marketing e o relacionamento com o cliente (o interno e o externo), etc. Depois disso, o seu trabalho será agrupar estas ideias em categorias (gestão de informação, cuidados com o cliente, otimização de rotinas de trabalho, redes sociais, etc.) e ir filtrando as melhores ideias com seus colaboradores.

No final, você terá uma excelente ideia para cada setor estratégico do seu escritório.

Dica | Faça um brainstorming com sua equipe e/ou com seus parceiros, para conseguir atingir a meta de pelo menos 100 ideias para fazer a diferença no seu escritório.


 

  Fonte: http://www.arquivodireito.com.br/empreendedorismo-na-advocacia/
 

Institucional

» A Via Leilões
» Serviços
» Parceiros
» Contato
» Ajuda

Central de Atendimento

E-Mail: sac@vialeiloes.com.br

Newsletter

Via Leilões

Rua Alagoas, 396 - Sala 1006 (10° andar)
Condomínio Atrium Corporate
Jardim dos Estados
CEP 79020-120
Campo Grande (MS)
  

Facebook

© Ilto Antônio Martins - Leiloeiro Público Oficial - Matrícula nº 12 JUCEMS - Todos os direitos reservados
A cópia ou reprodução não autorizada do conteúdo deste site poderá acarretar em penas previstas em lei.
Plataforma
Plataforma Leilovia
Precisa de ajuda? Clique aqui.